-CASE DESCRIPTION

Há alguns dias, em todo o país, vimos uma grande movimentação em busca da ação de revisão da correção monetária do FGTS.Muito se ouviu falar sobre o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal, da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.090/2014, no qual seria decidido se o índice atualmente utilizado para corrigir os depósitos de FGTS, qual seja, a taxa referencial, seria adequado, uma vez que este índice já se encontra em defasagem há muitos anos, acarretando perdas patrimoniais aos trabalhadores.

A correria se deu porque o julgamento estava previsto para o dia 13/05/2021, e cogitou-se a possibilidade de o Supremo fazer a chamada modulação de efeitos, o que significa dizer que ele pode decidir que, apenas aqueles entraram com a ação até a data do julgamento, terão direito retroativo à diferença da correção por um outro índice (IPCA ou INPC).

Contudo, o STF adiou o julgamento, não tendo definido ainda uma nova data para este.

Ninguém sabe como o Supremo irá decidir, ele pode ou não fazer a modulação de efeitos, e se optar por fazê-la, poder ser que a faça de forma que julgue ser mais adequada. Exemplos: a modulação pode ser feita para o período de 1999 a 2013, quando houve a citação da ADI em questão; de 1999 em diante; ou apenas a partir da data da decisão do STF.

Como já dito, não há como saber como o STF decidirá, mas, os trabalhadores que tenham interesse na correção, podem se precaver entrando com a ação o quanto antes.         

A teoria de que o STF realizará a modulação de efeitos ganhou força no fato de que, se decretada a inconstitucionalidade, milhões de trabalhadores seriam beneficiados, o que acarretaria em uma enorme obrigação à Caixa Econômica Federal, e de difícil cumprimento. Ademais, o STF já decidiu, em julgamentos anteriores, pela substituição da TR, visto que esta não acompanhava nem a inflação do período.

Nesse sentido, a decisão mais recente foi dada no final de 2020, qual o STF determinou ser inconstitucional a aplicação da TR para a correção monetária de débitos trabalhistas e de depósitos recursais no âmbito da Justiça do Trabalho. Em 2019, ele também determinou que o poder público deveria corrigir as dívidas antigas de precatórios pela inflação, e não pela TR.

Ressalte-se que a ação é contra a Caixa Econômica Federal, que administra os depósitos de FGTS, e não contra os empregadores que fazem estes depósitos.

Por tais razões, recomenda-se que ingressem com as ações, os trabalhadores que tiveram depósitos de FGTS de janeiro de 1999 até o momento, mesmo que já tenham se aposentado e realizado saques neste período.

Os documentos necessários para ingressar com a ação são:

  1. RG/CPF ou CNH;
  2. Comprovante de residência;
  3. Carteira de Trabalho;
  4. Extrato analítico do FGTS desde janeiro de 1999 (disponível no site caixa.gov.br/extrato-fgts);
  5. Carta de Concessão da Aposentadoria (apenas para quem é aposentado).

Por fim, vale ressaltar que, apesar de ter sido bastante noticiado na mídia

que a ação poderia garantir ao trabalhador uma ¨bolada¨, a verdade é que os valores são proporcionais ao quanto o trabalhador teve depositado na conta de FGTS, para alguns esse pode ser um valor significativo, mas para outros nem tanto.

MAIS PUBLICAÇÕES

REQUISITOS DE CONTRATO DE TRABALHO

REQUISITOS DE CONTRATO DE TRABALHO

Em que pese a CLT tratar do vínculo de emprego, utiliza a expressão contrato de trabalho, sendo este o vínculo entre empregado e empregador.
Considerado “negócio jurídico em que o empregado, pessoa natural, presta serviço de forma pessoal, subordinada e não eventual

ler mais
NORMAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO CIVIL

NORMAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO CIVIL

A visão geral sobre as Normas Fundamentais do Processo Civil, hoje, trataremosdos artigos 3º, 4º e 5º, todos do Código de Processo Civil, sobre os Princípios da Inafastabilidade da Jurisdição; o Princípio da Razoável Duração do Processo ou da Celeridade e o Princípio da Boa-Fé Processual.

ler mais